Conheça um pouco da nossa história – GMoreira Gestão Empresarial

A GMoreira iniciou suas atividades no ano de 2009, fruto do sonho de empreendedor do seu fundador, hoje sócio e Diretor, Gilberto Moreira, que atuou de forma empreendedora e proativa no mercado financeiro de varejo durante 32 anos, e ao longo da sua carreira sempre teve em seu planejamento atuar no segmento de Serviços, hoje um dos mais promissores de nossa economia.

Foi fundada como GMoreira Consultoria e Coaching, passando recentemente a ser conhecida como GMoreira Gestão Empresarial, sendo que no momento estamos alinhando e simplificando a comunicação, passando sua denominação comercial para GM Gestão Empresarial.

Gilberto atuou por diversos anos com uma carteira de clientes completa, atendendo diversos segmentos mercadológicos, sendo o mentor intelectual da Metodologia de Gestão Empresarial Sustentável, que tem o objetivo de oferecer as pessoas físicas e jurídicas reais condições para o sucesso na vida e nos negócios.

A Gestão Empresarial Sustentável tem 5 (cinco) Pilares de Sustentação:

  • Gestão Financeira
  • Gestão de Negócios
  • Gestão de Clientes
  • Gestão de Processos
  • Gestão de Recursos Humanos

A sustentabilidade vem da conexão entre os pilares, contando hoje com profissionais especialistas em cada um deles, como também da seleção de clientes que comunguem de práticas profissionais e pessoais éticas, que não agridem o meio ambiente, apoiem a diversidade, como também geram benefícios contínuos à sociedade.

A partir de Janeiro de 2018 veio a participar da sociedade o Gestor Empresarial, Thiago Fontana, atual Diretor de Divisão, e profissional com sólida formação acadêmica e experiência comprovada, visto que seu sócio fundador iniciou o projeto de transição que permitirá o fortalecimento e perpetuação da empresa para as próximas duas décadas.

Ele relata que o seu sonho é ter no quadro societário três gerações de empreendedores, compondo assim um mix de inteligência de mercado que combine ousadia, criatividade, empreendedorismo, com segurança e qualidade.

Hoje a empresa atua em 8 (oito) segmentos da Economia:

A empresa está iniciando a revisão do seu planejamento estratégico para os próximos 5 (cinco) anos, objetivando seu fortalecimento e solidificação no mercado de atuação, como também visando possibilitar a sua expansão regional.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece na GMoreira? Assine nossa newsletter!

O que faz uma Consultoria Empresarial?

Primeiramente, é necessário desmistificar alguns aspectos da consultoria empresarial:

1 – Consultoria não é um luxo acessível apenas para poucas empresas.

2 – Os consultores não tomarão o controle da empresa. A tomada de decisão continuará sendo de responsabilidade daqueles que dirigem a empresa.

3 – Uma consultoria empresarial pode ser contratada por empresas de todos os portes.

4 – Existem diversas modalidades e técnicas de trabalho, que podem ser aplicadas de acordo com as características da empresa e objetivos do cliente.

Resumindo, qualquer empresa pode contratar uma consultoria empresarial, basta identificar qual a mais adequada à sua realidade e objetivos.

É comum que muitos empresários apresentem certa resistência quanto à contratação de algum dos tipos de consultoria empresarial. Isso ocorre porque acham que os mesmos métodos de gestão serão sempre suficientes para resolução de problemas ou para o alcance de resultados satisfatórios.

Uma consultoria eficiente é capaz de elevar o negócio a um novo patamar e agregar valor ao empreendimento. Com um serviço competente, a empresa conseguirá:

  • Identificar gargalos e falhas processuais
  • Gerenciar crises financeiras ou de imagem
  • Elaborar estratégias que aumentem a receita e diminua as despesas
  • Impulsionar a produtividade
  • Colocar as finanças em ordem

Inicialmente, toda consultoria faz um diagnóstico organizacional para analisar a estrutura, identificar gargalos e avaliar melhorias a serem feitas. Após isso, haverá um aprofundamento dessa análise com base no tipo de consultoria contratado.

4 tipos de consultoria empresarial

Confira agora os 4 principais tipos de consultoria empresarial e saiba como eles podem ser úteis para o seu negócio.

1 – Consultoria de gestão empresarial

Como dito anteriormente, o mundo dos negócios é muito dinâmico e passa por constantes transformações que acompanham o atual cenário econômico.

Os desafios diários que os gestores enfrentam precisam ser encarados de maneira estratégica a fim de evitar prejuízos e danos.

Dessa forma, o consultor de gestão empresarial tem capacidade para encontrar as soluções das quais a empresa precisa e identificar oportunidades de crescimentomelhorias.

2 – Consultoria de finanças

O caixa é a parte mais sensível de qualquer negócio. Por isso, é preciso dedicar uma atenção especial àquele que mantém a empresa de pé.

Contratar um consultor financeiro pode ser a solução para empresas que não conseguem sair do vermelho ou que não tem obtido sucesso em poupar recursos para investir no próprio crescimento.

A consultoria de finanças desenvolverá políticas internas e diferentes ações para organizar, planejar e controlar as atividades do setor por meio de um planejamento estratégico financeiro.

3 – Consultoria de marketing

Dentre os tipos de consultoria organizacional, esse é mais procurado pelas empresas que atuam diretamente na área comercial. Geralmente, a consultoria de marketing é contratada quando os resultados de vendas não saem conforme o esperado.

O profissional consultor fará a elaboração de um diagnóstico para compreender os fatores que estão interferindo nos objetivos da empresa que, nesse caso, são as metas vendas.

De posse dessas informações, será desenvolvido um plano de marketing com ações para solucionar os problemas identificados e atingir os objetivos propostos.

A consultoria de marketing pode ser útil também para as empresas que querem ganhar visibilidade no mercado, que desejam ser reconhecidas ou que querem firmar sua identidade e posicionamento.

4 – Consultoria de recursos humanos

É sempre bom ter em mente que as empresas são feitas por pessoas. São os colaboradores que fazem tudo funcionar.

Pensando assim, o consultor de RH ajudará a empresa a identificar e a compreender as demandas do quadro de funcionários e das competências que a empresa precisa desenvolver.

Veja alguns questionamentos importantes:

  • É preciso contratar?
  • É preciso demitir?
  • Como são as condições de trabalho?
  • Vale a pena investir em cursos e treinamentos?
  • O que pode ser feito para melhorar a performance dos funcionários?

As respostas dessas e de várias outras perguntas serão essenciais para a elaboração de um diagnóstico e para a definição de ações planejadas.

A GMoreira Consultoria Empresarial possui mais de 20 anos de experiência em Gestão Sustentável e Saúde Empresarial, realizando uma análise completa da empresa e garantindo que todas as áreas funcionem em harmonia para obter excelência em suas atividades.

 

Como melhorar meu fluxo de caixa?

 

Compras, vendas e prazos são comuns em qualquer atividade econômica. Por isso o planejamento de caixa é fundamental, ele permite visualizar o horizonte  financeiro da empresa.

No começo você terá mais dificuldade e manter o fluxo de caixa vai lhe tomar mais tempo. Com a prática, você passará a conhecer algumas práticas para otimizar seu planejamento de caixa e vai melhorar seu controle financeiro.

Se ainda não sabe o que é um fluxo de caixa, clique aqui.

Vamos a algumas dicas para facilitar seu trabalho:

1 – Diário x Mensal

A maioria das empresas faz um controle mensal. Caso deseje um controle mais rigoroso, opte pelas atualizações diárias.  Há ainda a opção de se usar os dois, mantendo um controle diário e um outro mensal, de forma a se ter uma visão mais completa e ampla.

2 – Seja realista

Deixe o otimismo para a hora de definir as metas. No fluxo de caixa, é necessário ser conservador. Considere o cenário mais provável, não o mais ideal, na hora de fazer suas projeções de vendas.

3 – Considere o ciclo financeiro

Na hora de definir o limite para o horizonte financeiro do seu planejamento, faça-o tão longo quanto o ciclo financeiro da sua empresa. Ou seja, o tempo entre o pagamento aos fornecedores e o recebimento pelas vendas.

4 – Coloque uma taxa de inadimplência

Encontre a taxa de inadimplência do seu negócio, descobrindo o percentual de atrasos de seus clientes. Sempre que for planejar um investimento futuro, não esqueça de aplicar essa taxa no seu fluxo de caixa para saber se terá dinheiro suficiente.

5 – Estude e Renegocie

Mantendo um fluxo de caixa sempre atualizado, você identificará os problemas com antecedência. Utilize isto para renegociar prazos e alterar contratos com seus fornecedores.

Fazer uma gestão sustentável de uma empresa não é fácil, mas você não está sozinho nessa!

Você pode contar com seu contador e com um software de gestão. O primeiro lhe orientará sobre os aspectos fiscais e financeiros, e o segundo vai agilizar seu trabalho, reduzir seus erros e facilitar sua gestão.

A GMoreira pode ajudar no seu planejamento de caixa. Veja como! 

 

Por que profissionalizar a gestão de organizações do Terceiro Setor?

A gestão de uma Organização de Sociedade Civil, OSC, possui particularidades que só instituições do terceiro setor têm que lidar. São exigências burocráticas de fontes financiadoras, encargos e ações designadas pelo poder público e a dificuldade de atrair recursos financeiros.

O principal problema é que as pessoas que desempenham funções contábeis e administrativas em sua maioria não possuem o conhecimento prático/teórico necessário para executarem sua função com excelência. Em sua maioria são pedagogos(as), psicólogos(as), assistentes sociais e algumas vezes até mesmo familiares daqueles que são auxiliados pela OSC que assumem estes cargos por amor e vontade de trazer melhores condições de vida para outras pessoas.

 

Dificuldade na Captação de Recursos

pessoa contando dinheiro

A crise econômica brasileira afetou diretamente as contribuições realizada às organizações do Terceiro Setor. É um desafio buscar recursos atualmente, pois há um desconhecimento de verbas públicas e privadas disponíveis além de uma ausência da documentação necessária para acessá-las.

Além disso, desde janeiro de 2016, o Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil entrou em vigor. A partir disso, a maioria das verbas públicas deverá ser pleiteada por chamamento público, uma novidade para a maioria das OSCs.

Quem desejar receber verbas públicas ou até mesmo quem já as recebe, precisará saber como participar do processo de seleção. Para isto, é necessário estar com os documentos referentes à constituição da organização, contabilidade, tributos e legislação trabalhista regulares e atualizados.

As organizações que recebem auxílio público, devem prestar contas dos valores recebidos e tê-las aprovadas pelo órgão que concedeu este auxílio. Caso isto não seja feito, corre-se o risco de não poder pleitear o recebimento de novos valores.

 

Disponibilidade de Recursos

carimbando pagamento autorizado

Há diversas opções de recursos financeiros em fundos e programas que podem ser acessados por projetos. Municípios, Estados e a União possuem verbas disponíveis que são direcionadas às Entidades Sociais, ONGs e OSCs.

Existem também as Emendas Parlamentares, que são fontes de recursos para o Terceiro Setor. Basta saber onde encontrar e se adequar as exigências necessárias.

Outra opção são as verbas provenientes dos impostos pagos por pessoas físicas ao Fisco, parte destes recolhimentos podem ser direcionados a instituições do Terceiro Setor.

 

Profissionalizando a Gestão

prestação de contas em uma agenda

É necessário ter um estatuto claro e adequado às exigências legais, motivar a equipe, engajar colaboradores internos e externos, estabelecer metas e demonstrar transparência na aplicação dos recursos recebidos.

Além disso, a aplicação de ferramentas básicas de gestão como elaborar um fluxo de caixa adequado, comparação do previsto com o realizado e criar um planejamento estratégico pode impactar de forma positiva na administração do terceiro setor.

A partir destas ferramentas é possível elaborar um planejamento de gastos, organizar as dívidas, mapear as necessidades de captação de recursos e estabelecer uma cultura organizacional dentro da instituição.

O grande desafio para o terceiro setor é uma mudança de mentalidade. Uma organização filantrópica, apesar de não distribuir lucros ainda precisa de uma receita maior que suas despesas para continuar seu funcionamento e atender mais pessoas.

Para que mudanças reais ocorram, é necessário que haja mais profissionalismo na gestão, se o amadorismo administrativo continuar, não haverá desenvolvimento dessas organizações.

Todos os setores da economia vêm passando por profundas mudanças e isto não é diferente no 3º Setor. As organizações sociais (ONGs, OSCs, Entidades Sociais) devem se enquadrar nesta nova realidade, que pede mais transparência, gestão profissional e interação com os 1º e 2º setores e com a sociedade.

 

criança apontando para câmera

Vamos juntos criar mais impacto social?

botão para entrar em contato

 

Profissionalização do Terceiro Setor

Por que profissionalizar a gestão de organizações do Terceiro Setor?

 

equipe de organização do terceiro setor em reunião

 

A gestão de uma Organização de Sociedade Civil, OSC, possui particularidades que só instituições do terceiro setor têm que lidar. São exigências burocráticas de fontes financiadoras, encargos e ações designadas pelo poder público e a dificuldade de atrair recursos financeiros.

O principal problema é que as pessoas que desempenham funções contábeis e administrativas em sua maioria não possuem o conhecimento prático/teórico necessário para executarem sua função com excelência. Em sua maioria são pedagogos(as), psicólogos(as), assistentes sociais e algumas vezes até mesmo familiares daqueles que são auxiliados pela OSC que assumem estes cargos por amor e vontade de trazer melhores condições de vida para outras pessoas.

 

Dificuldade na Captação de Recursos

 

mãos segurando notas de dinheiro

 

A crise econômica brasileira afetou diretamente as contribuições realizada às organizações do Terceiro Setor. É um desafio buscar recursos atualmente, pois há um desconhecimento de verbas públicas e privadas disponíveis além de uma ausência da documentação necessária para acessá-las.

Além disso, desde janeiro de 2016, o Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil entrou em vigor. A partir disso, a maioria das verbas públicas deverá ser pleiteada por chamamento público, uma novidade para a maioria das OSCs.

Quem desejar receber verbas públicas ou até mesmo quem já as recebe, precisará saber como participar do processo de seleção. Para isto, é necessário estar com os documentos referentes à constituição da organização, contabilidade, tributos e legislação trabalhista regulares e atualizados.

As organizações que recebem auxílio público, devem prestar contas dos valores recebidos e tê-las aprovadas pelo órgão que concedeu este auxílio. Caso isto não seja feito, corre-se o risco de não poder pleitear o recebimento de novos valores.

 

Disponibilidade de Recursos

 

mão carimbando documento para autorizar pagamento

 

Há diversas opções de recursos financeiros em fundos e programas que podem ser acessados por projetos. Municípios, Estados e a União possuem verbas disponíveis que são direcionadas às Entidades Sociais, ONGs e OSCs.

Existem também as Emendas Parlamentares, que são fontes de recursos para o Terceiro Setor. Basta saber onde encontrar e se adequar as exigências necessárias.

Outra opção são as verbas provenientes dos impostos pagos por pessoas físicas ao Fisco, parte destes recolhimentos podem ser direcionados a instituições do Terceiro Setor.

 

Profissionalizando a Gestão

 

pessoa utilizando agenda para planejamento e contabilidade

 

Considerando toda a burocracia, prestação de contas e processos de seleção a que as OSCs são submetidas, é imperativo a qualificação dos gestores para maximização dos resultados.

É necessário ter um estatuto claro e adequado às exigências legais, motivar a equipe, engajar colaboradores internos e externos, estabelecer metas e demonstrar transparência na aplicação dos recursos recebidos.

Além disso, a aplicação de ferramentas básicas de gestão como elaborar um fluxo de caixa adequado, comparação do previsto com o realizado e criar um planejamento estratégico pode impactar de forma positiva na administração do terceiro setor.

A partir destas ferramentas é possível elaborar um planejamento de gastos, organizar as dívidas, mapear as necessidades de captação de recursos e estabelecer uma cultura organizacional dentro da instituição.

O grande desafio para o terceiro setor é uma mudança de mentalidade. Uma organização filantrópica, apesar de não distribuir lucros ainda precisa de uma receita maior que suas despesas para continuar seu funcionamento e atender mais pessoas.

Para que mudanças reais ocorram, é necessário que haja mais profissionalismo na gestão, se o amadorismo administrativo continuar, não haverá desenvolvimento dessas organizações.

Todos os setores da economia vêm passando por profundas mudanças e isto não é diferente no 3º Setor. As organizações sociais (ONGs, OSCs, Entidades Sociais) devem se enquadrar nesta nova realidade, que pede mais transparência, gestão profissional e interação com os 1º e 2º setores e com a sociedade.

 

assistente social segura mão de criança

 

Vamos juntos criar mais impacto social?

 

clique para entrar em contato conosco

 

logo consultoria GMoreira

 

 

 

Empresarial

Modernize sua Empresa!

 

gestor de terno ajeitando gravata

 

O Setor Empresarial está passando por uma fase de modernização do modelo antigo de décadas passadas para um mais moderno e atual.

Administrativamente, essa mudança se dá principalmente em relação à análise holística de seu funcionamento, desde processos iniciais e operações de suporte até suas parcerias e encantamento dos clientes.

Hoje tem-se a noção de que uma empresa vende somente um produto, ela impacta o mundo com seus valores através de seus produtos.

Desta forma, estão conscientes de que a cooperação é necessária para obter sucesso e portanto estão cada vez mais focadas em garantir um bom relacionamento interno e externo.

Afinal, a qualidade de seus produtos e/ou serviços está diretamente relacionada com a manutenção eficaz de parcerias. E estão cientes que a satisfação mútua é o melhor recurso para a administração de contratos formais ou informais na organização.

A Divisão de Negócios Empresarial objetiva a busca constante de inovações em serviços que possam agregar valor aos nossos clientes, como também ao mercado em geral.

Com nossa metodologia própria entitulada Gestão Empresarial Sustentável, garantimos aos nossos clientes elevada qualidade na prestação de serviços de Consultoria, através da utilização de um ERP (Sistema Operacional) próprio, que gerencia todas as informações relevantes de cada área da empresa atendida, oferecendo soluções mais rápidas e eficazes.

 

Quer cuidar da saúde de sua empresa e aumentar seus lucros?

 

clique para entrar em contato conosco