8 principais erros na gestão de uma indústria

 

Independentemente do segmento ou do porte, quando o assunto é administrar uma empresa temos a certeza de que não é algo simples, certo?

Se estivermos falando de uma indústria, com as suas diversas particularidades, é necessário ter ainda mais atenção, afinal, precisamos lidar com diversos funcionários (muitas vezes na casa das centenas), além de processos, produção, demandas e por aí vai.

Por isso, cometer erros na gestão industrial não é algo difícil, porém, há algumas medidas que podem ser tomadas para evitar que isso ocorra.

 

1 – Informações desorganizadas

 

Dados sobre a produção, estoque, funcionários, finanças e demandas devem sempre estar atualizados, organizados e facilmente acessíveis pelo gestor industrial, geralmente através de um banco de dados.

No entanto, como muitas fábricas fragmentam suas áreas, muitas das informações também acabam se desencontrando. Assim, não é possível avaliar o real estado do negócio, o que leva a decisões ruins para o futuro da empresa. Dessa forma, uma maior integração e comunicação da equipe é fundamental para agilizar processos e otimizar a produção.

2 – Logística Fragmentada

 

Para que uma indústria funcione de forma eficiente, a sua logística deve funcionar de forma integrada, ou seja, todas as áreas da produção devem se comunicar de forma dinâmica, capazes de se adaptar aos obstáculos inesperados.

Além disso, os processos da empresa devem ser bem definidos para garantir a produção uniforme e manutenção das características do produto.

Dessa forma, um bom gestor deve saber avaliar essa cadeia de forma crítica e identificar quais elos entre os processos não estão funcionando como deveriam e precisam de planos de melhoria.

Caso isso não seja feito de forma correta, a empresa corre o risco de atrasar demandas, gerando prejuízo.

 

3 – Falta de capacitação dos líderes

 

Você é o gestor, mas não se comporta como tal, pois não entende de gestão ou desconhece suas principais estratégias. Para alcançar o sucesso, não basta abrir uma pequena indústria a partir de uma boa ideia ou afinidade com a área. Os resultados obtidos no seu negócio deixam isso claro.

Nossa recomendação é de que você se qualifique como gestor. Existem várias alternativas no mercado e muitas são gratuitas, em programas disponibilizados pelo SEBRAE, SENAI e CNI. Caso o curso seja pago, veja isso como um investimento em si mesmo.

 

4 – Falta de treinamento dos funcionários

 

Investir em uma mão de obra constantemente treinada e requalificada é imprescindível para o crescimento do negócio. A tecnologia industrial está em constante mudança, com novos equipamentos, conceitos e processos.

Sendo assim, atualizar o conhecimento dos funcionários garante maior competitividade para o negócio e reduz os custos da fábrica no médio prazo.

 

5 – Estoque mal gerenciado

 

Estoque parado é dinheiro parado. Aliás, muitas empresas têm mais dinheiro dentro do estoque do que nas contas bancárias.

Se a sua fábrica tem problemas neste setor, a saúde financeira dela corre um sério risco. Por isso, uma gestão eficaz desta área é fundamental para manter a sua indústria em boa operação.

Há duas dicas importantes aqui: uma delas é coordenar o controle do estoque com a demanda da produção. Dessa forma, é possível garantir que não haja excesso e nem escassez de mercadorias.

A outra é automatizar a gestão do estoque por meio de um software que, normalmente, já está integrado com as áreas de compras e de vendas, permitindo a atualização automática da quantidade de produtos armazenados.

 

6 – Desorganização financeira

 

O setor financeiro de uma fábrica pode ser um setor bem complexo e que demanda uma atenção extra em sua gestão.

Desde a geração de notas fiscais eletrônicas para seus produtos até relatórios de contas a pagar e receber devem ser documentados em um sistema confiável em que você possa gerenciar seu fluxo de caixa de forma eficaz.

Sem saber exatamente o custo de produção da sua fábrica é praticamente impossível fazer qualquer outro cálculo ou até mesmo definir questões básicas, como o preço de venda de um produto ou a remuneração dos colaboradores, por exemplo.

Então, o primeiro passo é fazer o levantamento dos custos, desde a matéria-prima até a logística, passando pelas horas-máquina e vendas.

Com tudo reunido vai ficar muito mais fácil verificar quanto custa cada produto da sua indústria e, consequentemente, o total geral da unidade fabril.

Assim, a gestão é agilizada, as decisões são tomadas com mais confiança e você não corre o risco de pagar para produzir, além de evitar vários outros erros decorrentes deste. Como problemas com a precificação dos produtos, por exemplo.

Calcular o preço de venda de um produto de forma errada é um “pecado capital” que afeta diretamente a saúde financeira da sua fábrica.

Embora inicialmente pareça uma tarefa fácil, se não for feita com ferramentas e métodos adequados, pode gerar um impacto direto nas suas finanças.

Não é muito raro encontrarmos indústrias que na verdade estão pagando para fabricar um produto específico, que acaba passando desapercebido no meio de produtos rentáveis. Confira algumas dicas de precificação!

Neste blog, já postamos alguns artigos com ferramentas como fluxo de caixa e cálculo de retorno financeiro, para você otimizar seu planejamento.

 

7 – Falta de manutenção preventiva

 

É comum escutarmos que investir em manutenção significa um gasto desnecessário para a fábrica.

No entanto, quando tratada de forma correta, como um processo essencial para o negócio e que deve ser feito periodicamente, se torna uma ação estratégica que pode diferenciar a sua indústria das demais.

A preocupação com a manutenção de todo espaço da fábrica deve ser pensada durante o planejamento do layout industrial.

Muitas indústrias, apesar de realizarem a manutenção, encaram a mesma como uma medida corretiva. O ideal, no entanto, é realizar uma manutenção preventiva em todo os equipamentos do processo de produção.

Estar preparado frente aos possíveis problemas também é fundamental para que o crescimento, como falado acima, seja uniforme.

Afinal, caso uma indústria tenha que realizar uma manutenção relâmpago, isso geraria gastos que não estavam previstos, impactando negativamente esse crescimento.

Sendo assim, ter a manutenção preventiva como um gasto previsto para o negócio pode significar o diferencial no momento de desafio.

Além disso, é importante na gestão industrial que os ciclos de manutenção devam se adequar aos regimes de produção e reduzir as perdas de um reator em batelada, por exemplo.

 

8 – Falta de investimento em tecnologia e inovação

 

Seus processos são ineficientes, os equipamentos estão defasados e você não apresenta ao mercado nada que seja capaz de posicioná-lo com algum destaque diante da concorrência.

Virar as costas à tecnologia e inovação é comportamento esperado de um gestor desatento e desatualizado.

A sugestão é pesquisar incansavelmente a respeito de seu modelo produtivo, participando de feiras, eventos e congressos de seu setor. É lá que poderá identificar tendências, obter ideias e fomentar contatos.

Procure informações com suas entidades de classe e converse com pares ou similares para avaliar sua empresa e incorporar as melhores práticas.

Se tiver alguma dúvida ou enfrentar dificuldades na gestão da sua indústria, fale com a GMoreira. Temos consultores especialistas com anos de experiência na área.

 

O que faz uma Consultoria Empresarial?

Primeiramente, é necessário desmistificar alguns aspectos da consultoria empresarial:

1 – Consultoria não é um luxo acessível apenas para poucas empresas.

2 – Os consultores não tomarão o controle da empresa. A tomada de decisão continuará sendo de responsabilidade daqueles que dirigem a empresa.

3 – Uma consultoria empresarial pode ser contratada por empresas de todos os portes.

4 – Existem diversas modalidades e técnicas de trabalho, que podem ser aplicadas de acordo com as características da empresa e objetivos do cliente.

Resumindo, qualquer empresa pode contratar uma consultoria empresarial, basta identificar qual a mais adequada à sua realidade e objetivos.

É comum que muitos empresários apresentem certa resistência quanto à contratação de algum dos tipos de consultoria empresarial. Isso ocorre porque acham que os mesmos métodos de gestão serão sempre suficientes para resolução de problemas ou para o alcance de resultados satisfatórios.

Uma consultoria eficiente é capaz de elevar o negócio a um novo patamar e agregar valor ao empreendimento. Com um serviço competente, a empresa conseguirá:

  • Identificar gargalos e falhas processuais
  • Gerenciar crises financeiras ou de imagem
  • Elaborar estratégias que aumentem a receita e diminua as despesas
  • Impulsionar a produtividade
  • Colocar as finanças em ordem

Inicialmente, toda consultoria faz um diagnóstico organizacional para analisar a estrutura, identificar gargalos e avaliar melhorias a serem feitas. Após isso, haverá um aprofundamento dessa análise com base no tipo de consultoria contratado.

4 tipos de consultoria empresarial

Confira agora os 4 principais tipos de consultoria empresarial e saiba como eles podem ser úteis para o seu negócio.

1 – Consultoria de gestão empresarial

Como dito anteriormente, o mundo dos negócios é muito dinâmico e passa por constantes transformações que acompanham o atual cenário econômico.

Os desafios diários que os gestores enfrentam precisam ser encarados de maneira estratégica a fim de evitar prejuízos e danos.

Dessa forma, o consultor de gestão empresarial tem capacidade para encontrar as soluções das quais a empresa precisa e identificar oportunidades de crescimentomelhorias.

2 – Consultoria de finanças

O caixa é a parte mais sensível de qualquer negócio. Por isso, é preciso dedicar uma atenção especial àquele que mantém a empresa de pé.

Contratar um consultor financeiro pode ser a solução para empresas que não conseguem sair do vermelho ou que não tem obtido sucesso em poupar recursos para investir no próprio crescimento.

A consultoria de finanças desenvolverá políticas internas e diferentes ações para organizar, planejar e controlar as atividades do setor por meio de um planejamento estratégico financeiro.

3 – Consultoria de marketing

Dentre os tipos de consultoria organizacional, esse é mais procurado pelas empresas que atuam diretamente na área comercial. Geralmente, a consultoria de marketing é contratada quando os resultados de vendas não saem conforme o esperado.

O profissional consultor fará a elaboração de um diagnóstico para compreender os fatores que estão interferindo nos objetivos da empresa que, nesse caso, são as metas vendas.

De posse dessas informações, será desenvolvido um plano de marketing com ações para solucionar os problemas identificados e atingir os objetivos propostos.

A consultoria de marketing pode ser útil também para as empresas que querem ganhar visibilidade no mercado, que desejam ser reconhecidas ou que querem firmar sua identidade e posicionamento.

4 – Consultoria de recursos humanos

É sempre bom ter em mente que as empresas são feitas por pessoas. São os colaboradores que fazem tudo funcionar.

Pensando assim, o consultor de RH ajudará a empresa a identificar e a compreender as demandas do quadro de funcionários e das competências que a empresa precisa desenvolver.

Veja alguns questionamentos importantes:

  • É preciso contratar?
  • É preciso demitir?
  • Como são as condições de trabalho?
  • Vale a pena investir em cursos e treinamentos?
  • O que pode ser feito para melhorar a performance dos funcionários?

As respostas dessas e de várias outras perguntas serão essenciais para a elaboração de um diagnóstico e para a definição de ações planejadas.

A GMoreira Consultoria Empresarial possui mais de 20 anos de experiência em Gestão Sustentável e Saúde Empresarial, realizando uma análise completa da empresa e garantindo que todas as áreas funcionem em harmonia para obter excelência em suas atividades.

 

Planejamento de Caixa

Qual a importância do Planejamento de caixa?

 

O planejamento de caixa é fundamental para proporcionar um vislumbre do horizonte financeiro da empresa.

Registrar receitas e despesas é fundamental, mas não é o bastante.

O planejamento de caixa permitirá prever, por exemplo, que o capital de giro será insuficiente em determinado período.

Visualizando essa dificuldade com antecedência, é possível tomar atitudes como a renegociação de contratos, para que, chegando a data, você não precise recorrer a um empréstimo bancário.

Elaboramos um plano de gestão financeira através do Fluxo de Caixa, com informações diárias e um Orçamento de Caixa com informações mensais, assim como assessoramos e treinamos os usuários.

Definimos em conjunto com os gestores as melhores estratégias de captação e aplicação de recursos.

 

Quais os benefícios em fazer o planejamento de caixa com a GMoreira?

 

– Redução dos custos financeiros e otimização dos recursos

– Antecipação das estratégias de captação de recursos

– Redução do risco operacional e de escassez de capital

– Verificação da viabilidade empresarial

– Controle e acompanhamento dos valores Orçados e Realizados

– Profissionalização da Gestão Financeira e de Caixa

– Definição do Saldo Mínimo de Caixa

– Atribuição do capital (próprio/terceiro, CP e PL)

A GMoreira tem especialistas em Gestão Financeira, pois entende que este importante pilar da Gestão Empresarial é o que pode garantir o sucesso e a longevidade de empresas e negócios.

 

Quer começar a melhorar a Gestão Financeira de sua empresa? Baixe nossa planilha de Fluxo de Caixa. É Grátis!

Download Planilha Fluxo de Caixa