Por que contratar uma consultoria de franquias?

 

Segundo a Associação Brasileira de Franchising (ABF), em 2017, o mercado de franquias movimentou mais de 163 bilhões de reais, distribuídos entre mais de 146 mil unidades de negócio, no Brasil. Esses números se dão graças à inovação constante no mercado, facilitada pelo suporte de consultorias de franquias.

 

O que é uma consultoria de franquias?

Uma consultoria de franquias é, basicamente, uma empresa externa que presta serviço a redes de franchising. Sua principal atividade é diagnosticar a situação da franquia, com o intuito de recomendar mudanças estratégicas, metodológicas e estruturais ao negócio baseando-se nas informações obtidas.

Em outras palavras, o grande objetivo de uma consultoria de franquias é promover o desenvolvimento sustentável do empreendimento. Isso é viável porque empresas de consultoria dispõem de experiência e conhecimentos que, frequentemente, os franqueados e até mesmo os franqueadores não detêm.

Sendo assim, uma consultoria é responsável por qualificar tanto os gestores quanto os colaboradores, apresentando a eles qual é o melhor caminho a ser seguido para que o seu negócio se fortaleça no mercado.

 

Qual é a importância da consultoria de franquias para o sucesso dos negócios?

A estruturação, expansão do negócio e gestão — contábil, fiscal, processos, pessoas etc. — estão entre os principais serviços que são oferecidos pela consultoria de franquias. Seu trabalho é fundamentalmente necessário para a estruturação adequada da franquia, já que faz parte dele a análise do segmento no qual a franquia está inserida, sua viabilidade e como ele poderá se estabelecer de modo estratégico no mercado de franchising.

Em outras palavras, isso significa que uma consultoria de franquias prestará suporte em todos os processos os quais o negócio tiver necessidade. Além disso, desenvolverá uma análise mais aprofundada que será capaz de propor melhorias e ajustes precisos e estratégicos, facilitando a atuação da empresa no mercado.

Como funciona a consultoria de franquias?

Para entender como funciona uma consultoria de franquias é preciso compreender que existem diversas áreas de atuação a serem exploradas nesse segmento. Por exemplo, se você é um franqueador, pode contratar uma consultoria para expandir seu negócio ou para auxiliar na gestão da sua rede de franquias.

Por outro lado, se você está interessado em empreender em uma franquia, pode contratar uma consultoria de mentoria para acertar o direcionamento, reduzir os riscos e promover a confiança e o equilíbrio necessários para buscar pela melhor oportunidade.

Existem, ainda, consultorias para estruturar os processos financeiros, contábeis, fiscais e diversos outros segmentos. Como o leque de opções é extenso, o que vai determinar a melhor escolha para o seu caso é a atual situação em que você ou sua empresa se encontram no momento e quais são os objetivos almejados.

 

O que esperar de uma consultoria de franquias?

Obviamente, tomar a decisão de contratar uma consultoria de franquias nem sempre é uma tarefa fácil. Essa dificuldade se impõe, maioritariamente, graças à falta de conhecimento sobre como quais são os benefícios da sua contratação e o que se deve esperar do serviço.

Contudo, contratar uma consultoria de franquias pode trazer para a sua rede algumas práticas, experiências e conhecimentos que agilizarão o alcance dos objetivos traçados.

Confira:

Mais praticidade na implementação de inovações

De acordo com a 1ª Pesquisa de Inovação nas Franquias Brasileiras, elaborada pela ABF em conjunto com a Confederação Nacional de Serviços (CNS), mesmo durante a crise econômica as franquias do Brasil se mostraram inclinadas a investir nos seus respectivos negócios. Dentro do contexto da pesquisa, a adesão de técnicas de gestão e de organização do trabalho se localizou no topo das preferências.

Realmente, ao contratar uma consultoria de franquias, as empresas dispõem de mais facilidade e praticidade em efetuar inovações, o que é crucial para seu crescimento no mercado.

Amplo conhecimento de mercado

Por mais que o gestor conheça profundamente o segmento de mercado em que a sua empresa atue, provavelmente ele não detém conhecimento aprofundado sobre todas as áreas que a gestão administrativa compreende. Isso porque os setores são bastante distintos, como gestão de pessoas, marketing, vendas, contabilidade e vários outros.

A partir do momento em que o empresário opta por contratar uma empresa de consultoria de franquias competente, ele automaticamente faz com que seu negócio se desenvolva em todos os sentidos.

A razão disso é que uma consultoria eficiente conta com consultores com experiência em todas as pontas deste mercado — tendo atuado como franqueado, franqueador, colaboradores de redes de franquias e empresas prestadores de serviços para o segmento. Isso proporciona uma visão amplificada, o que oferece maior agilidade no desenvolvimento da estratégia para que a franquia cresça.

Suporte na tomada de decisões

O processo de tomada de decisões deve ser perfeitamente estruturado, afinal de contas, qualquer passo na direção errada pode resultar em problemas que prejudiquem a continuidade do negócio. Entretanto, não basta apenas ter informações detalhadas para embasar as suas decisões. Na maioria das vezes, a visão externa é de suma importância.

A consultoria em franquias pode ser crucial, pois também analisa o ambiente externo que ronda o negócio, proporcionando mais eficácia na tomada de decisão. Com isso, ela consegue ajudar os gestores não só em suas estratégias, mas, também, em suas táticas operacionais de mercado.

O que você achou do nosso artigo sobre consultoria de franquias? Gostou? Então, não perca tempo. Assine já a nossa newsletter! Assim você recebe conteúdo exclusivo do blog diretamente no seu e-mail!

Como aumentar a produtividade da minha fazenda?

 

O aumento na demanda global por alimentos impacta diretamente na economia de países dependentes do agronegócio, como é o caso do Brasil.

Neste cenário, há uma intensa competição entre empresários do agronegócio. Se você quiser se manter competitivo deve ser preocupar com análise de dados, controle de custos, controle de estoque e uso de tecnologia na tomada de decisões.

 

Análise de Dados

 

Observe. Estabeleça critérios para analisar a produtividade de sua propriedade. Em relação ao rebanho, analise e compare valores referentes à alimentação, reprodução, produção de leite, cuidados com os animais.

Para a lavoura, observar uso de insumos, resultado da colheita, rendimento das plantas, qualidade do solo. Estes são apenas alguns exemplos, quanto mais completa for a sua análise, melhor.

É fundamental ter esse conhecimento para administrar a fazenda. Só assim você poderá tomar as decisões necessárias baseadas em dados reais e não apenas achismos.

É interessante que você defina metas de curto, médio e longo prazo e deixe os critérios alinhados com essas metas. Assim você terá uma orientação clara do caminho a seguir.

 

Controle de Custos

 

Saber os custos de suas operações é fundamental para saber a rentabilidade do seu negócio.

Finanças desorganizadas só trazem prejuízos. Caso você queira fazer investimentos em seu agronegócio, fica difícil saber qual decisão tomar desconhecendo gastos com alimentação de animais, com insumos agrícolas, pagamento de funcionários, manutenção de máquinas, etc.

Isso pode resultar na tomada de decisões erradas, perda de negócios lucrativos e redução na produtividade.

Uma forma de organizar sua gestão financeira, é manter um fluxo de caixa. Leia este outro artigo para saber como montar um.

 

Controle de Estoques

 

O estoque é um dos pontos críticos das empresas. Nas fazendas não é diferente. Estoques muito grandes são muito dinheiro parado, estoques muito pequenos representam um risco de faltar.

Para encontrar o ponto de estoque ideal, o primeiro passo é ter controle. Depois é analisar: “qual o melhor tipo de estoque para o meu negócio?”.

Um estoque bem organizado pode auxiliar no seu planejamento, além de mostrar quais dos seus produtos estão vendendo mais e quais estão vendendo menos. Outra utilidade de um estoque bem organizado é dificultar a possibilidade de fraude por parte dos funcionários.

 

Uso de Tecnologia

 

A melhor forma de reunir as 3 dicas anteriores é através da tecnologia. Analisar dados, fazer controle financeiro, controlar estoque e ainda planejar as decisões a serem tomadas ficam muito difíceis sem algum auxílio tecnológico.

Atualmente, existem vários aplicativos para smartphone, tanto Android quanto IOS, que auxiliam em diferentes aspectos da sua fazenda e podem ser verdadeiras formas de se organizar de maneira ágil e simples.

Confira uma lista com 10 aplicativos gratuitos aqui!

Uma outra recomendação, é conversar com uma consultoria rural, você poderá entender melhor a forma de organizar as finanças e os processos da sua propriedade rural.

 

 

6 formas de melhorar as finanças da sua indústria

Após esses anos de crise econômica no país, os gestores de pequenas e médias indústrias enfrentam a necessidade de reorganizar o negócio. Um dos primeiros passos a serem dados nessa direção é estabelecer um controle das finanças.

Vamos dar 6 recomendações para agilizar processos administrativos e melhorar o planejamento de ações estratégicas. Confira:

1 – Não misturar finanças pessoais e empresariais

Nas indústrias de menor porte é comum que haja uma mistura de finanças pessoais e empresariais no mesmo fluxo de caixa, o que atrapalha a análise da real situação do negócio.

É fundamental que haja uma conta bancária de pessoa jurídica para a indústria e uma conta pessoal para o dono do negócio utilizar com seus gastos pessoais. Desta forma, você poderá acompanhar as contas da empresa de forma correta e perceber se seu negócio está sendo realmente lucrativo.

Além disso, com as contas organizadas é mais fácil para fazer a declaração do Imposto de Renda e conseguir financiamentos ou empréstimos.

2 – Conheça o ROI do seu negócio

Este é um indicador que torna possível verificar lucros atuais e lucros projetados, com base nos investimentos realizados.

Quando incorporado à gestão financeira, torna possível um melhor planejamento financeiro, pois sabendo-se quando irá receber de um investimento é possível traçar novos destinos para o dinheiro.

Veja como é possível calcular o Retorno sobre Investimento do seu negócio, clicando aqui!

3 – Tenha um fluxo de caixa

Registrar entradas e saídas dos recursos da empresas é essencial. É um dos pilares da organização das finanças.

Com um fluxo de caixa, é possível detectar desperdícios, reduzir custos e fazer uma projeção financeira da indústria em diferentes cenários, aumentando a possibilidade de fazer um planejamento eficiente.

Quer montar um fluxo de caixa? Clique aqui e saiba como!

4 – Invista na sua empresa

As megatendências da indústria, nesta quarta revolução industrial, são tecnologias que vão colocar a inovação no centro do processo produtivo. Quem não investir neste avanço tecnológico perderá espaço no mercado.

Um outro motivo para investir em modernizar sua indústria é a facilidade cada vez maior de se adquirir produtos importados de empresas que conseguem apresentar um produto com menor custo e mais qualidade, pois possuem tecnologia superior.

Mantenha seu negócio vivo, por mais organizada que uma gestão financeira seja, nenhuma empresa sobrevive se não vender.

5 – Faça uma avaliação cuidadosa da situação ao buscar um financiamento

Antes de buscar qualquer tipo de financiamento, tenho certeza da necessidade deste dinheiro, como ele será utilizado e as condições para pagamento. Se for gerar dívidas em “bola-de-neve”, reveja suas opções de geração de caixa para empresa ou procure negociar as condições de pagamento.

6 – Pense sobre utilizar um ERP para gestão financeira da sua empresa

Os ERPS são sistemas digitais responsáveis por todas as operações diárias de uma empresa: faturamento, balanço contábil, compras, fluxo de caixa, apuração de impostos, administração de pessoal, administração de inventário e estoque, contas a pagar e receber, ponto dos funcionários, controle das máquinas da fábrica.

Em resumo, você pode reunir todas as informações administrativas e operacionais em um único local, facilitando o acesso dos seus funcionários a informações relevantes, aumentando a velocidade e precisão da comunicação e possibilitando que você tenha uma visão de tudo que está acontecendo.

É possível encontrar vários ERPs pelo mercado, em breve postaremos uma lista dos melhores aqui no blog.

 

 

 

 

 

 

Como saber se um investimento está dando retorno?

As empresas se deparam com a constante necessidade de eliminar gastos que não trazem retorno para o negócio, mas é preciso ter cuidado para não retirar investimentos de áreas que são estratégicas para o crescimento.

Duas métricas que são muito úteis nesse caso são o Retorno sobre o Investimento (ROI, do inglês Return on Investment) e o Prazo de Retorno do Investimento (PRI ou payback).

Retorno sobre o Investimento

A métrica do ROI mostra, por meio de uma taxa de retorno, quanto um investidor ganhou (ou perdeu) em relação ao valor aplicado em um determinado investimento, dando ao mesmo tempo uma análise sobre o que aconteceu e uma perspectiva sobre o futuro do mesmo.

É para o ROI de uma atividade que os investidores costumam olhar ao avaliar a possibilidade de seguir adiante com o processo de investimento. Pois do ponto de vista do proprietário do capital, é essencial saber quanto ele ganhará em rendimentos para cobrir tudo aquilo que foi investido.

Como calculo o ROI da minha empresa?

O cálculo do ROI é simples. Inicialmente subtrai-se o ganho obtido com o investimento pelo próprio valor investido, e, em seguida, divide-se esse resultado por esse mesmo valor de investimento. Com isso, a fórmula fica da seguinte maneira:

ROI = (Ganho obtido – Investimento) / Investimento

É importante ressaltar que o valor investido inicialmente deve incluir absolutamente todo o dinheiro empregado durante o processo, assim como todo o valor recebido.

Se o objetivo é ter um resultado preciso, toda despesa, por menor que seja, deve ser incluída no cálculo, assim como toda receita. Por isso, antes de calcular o Retorno sobre o Investimento, monte um Fluxo de Caixa organizado e detalhado.

Quer saber como melhorar seu fluxo de caixa? Clique aqui!

Uma forma de enriquecer e melhorar ainda mais a análise do ROI é usar expressões de cálculo mais expandidas e que englobem situações mais complexas, como o investimento em atividades produtivas e negócios. A principal delas é:

ROI = Margem Operacional x Giro do Ativo

Ela representa a relação entre a lucratividade de um negócio e o giro de seus estoques. Utilizada pra calcular os retornos obtidos em operações de produção e venda.

Como a Margem operacional é igual ao Lucro Líquido sobre a Receita de Vendas e o Giro de Ativo é igual a Receita de Venda sobre o investimento líquido em estoques, podemos concluir que, nesse caso, o investidor pode aumentar seu ROI de duas jeitos: ou gerando vendo mais para cada quantidade de estoque comprado ou aumentando a taxa de lucro sobre o valor praticado nas vendas.

 

Prazo de Retorno do Investimento

O cálculo do Prazo de Retorno de Investimento (PRI ou payback) é um indicador análogo ao ROI e mensura a atratividade do negócio ao mostrar qual é período necessário para que o investidor atinja o breakeven e recupere todo o capital o que investiu.

O Prazo de Retorno do Investimento (PRI) é calculado de forma absoluta, por meio de uma unidade de tempo e consiste, basicamente, numa modalidade de análise inversa à da rentabilidade.

O seu cálculo é simples: para encontrar o período de retorno de determinado investimento basta somar os valores dos rendimentos acumulados, período após período, até que o valor total se iguale a quantia do investimento inicial. A fórmula de cálculo para o PRI é dada por:

PRI = Investimento Total / Lucro Líquido

A característica principal desse tipo de análise é mostrar que quanto mais tempo o investidor precisar esperar para recuperar o investimento, menos atrativo ele fica e maior é possibilidade de prejuízo.

É um método que fornece a medida de risco do investimento, pois o período de retorno será proporcional a liquidez do investimento e, consequentemente, ao seu risco.

Logo, se o período de retorno for menor que o tempo máximo tolerável de recuperação do capital, o investimento é viável.

Se o período de retorno for maior que o tempo máximo tolerável de recuperação de recuperação do capital, o investimento não é recomendável.

O importante é entender que para se chegar a uma métrica de ROI que seja eficiente, é fundamental que o investidor entenda o que isso significa e como afeta os seus objetivos.

A taxa de retorno pode variar de forma significativa durante pequenos períodos, muito por causa de efeitos da sazonalidade.

Por isso, é recomendável sempre acompanhar o índice com atenção, para não se correr o risco de ser surpreendido. Traçar metas realistas e monitorá-las de forma constante é mais do que essencial.

 

Como melhorar meu fluxo de caixa?

 

Compras, vendas e prazos são comuns em qualquer atividade econômica. Por isso o planejamento de caixa é fundamental, ele permite visualizar o horizonte  financeiro da empresa.

No começo você terá mais dificuldade e manter o fluxo de caixa vai lhe tomar mais tempo. Com a prática, você passará a conhecer algumas práticas para otimizar seu planejamento de caixa e vai melhorar seu controle financeiro.

Se ainda não sabe o que é um fluxo de caixa, clique aqui.

Vamos a algumas dicas para facilitar seu trabalho:

1 – Diário x Mensal

A maioria das empresas faz um controle mensal. Caso deseje um controle mais rigoroso, opte pelas atualizações diárias.  Há ainda a opção de se usar os dois, mantendo um controle diário e um outro mensal, de forma a se ter uma visão mais completa e ampla.

2 – Seja realista

Deixe o otimismo para a hora de definir as metas. No fluxo de caixa, é necessário ser conservador. Considere o cenário mais provável, não o mais ideal, na hora de fazer suas projeções de vendas.

3 – Considere o ciclo financeiro

Na hora de definir o limite para o horizonte financeiro do seu planejamento, faça-o tão longo quanto o ciclo financeiro da sua empresa. Ou seja, o tempo entre o pagamento aos fornecedores e o recebimento pelas vendas.

4 – Coloque uma taxa de inadimplência

Encontre a taxa de inadimplência do seu negócio, descobrindo o percentual de atrasos de seus clientes. Sempre que for planejar um investimento futuro, não esqueça de aplicar essa taxa no seu fluxo de caixa para saber se terá dinheiro suficiente.

5 – Estude e Renegocie

Mantendo um fluxo de caixa sempre atualizado, você identificará os problemas com antecedência. Utilize isto para renegociar prazos e alterar contratos com seus fornecedores.

Fazer uma gestão sustentável de uma empresa não é fácil, mas você não está sozinho nessa!

Você pode contar com seu contador e com um software de gestão. O primeiro lhe orientará sobre os aspectos fiscais e financeiros, e o segundo vai agilizar seu trabalho, reduzir seus erros e facilitar sua gestão.

A GMoreira pode ajudar no seu planejamento de caixa. Veja como! 

 

Monte o melhor fluxo de caixa para sua empresa em 3 etapas

O fluxo de caixa é basicamente o controle de entradas e saídas de uma empresa. Essa é uma ferramenta de gestão financeira útil para se ter uma visão de como estão os recursos financeiros de sua empresa.

Além de controlar o dinheiro que entra e que sai da organização, o fluxo de caixa também ajuda na projeção orçamentária futura, sendo uma importante ferramenta para tomada de decisão.

O fluxo de caixa deve ser flexível, de forma a se adequar a realidade da empresa e também às variações do mercado.

Neste artigo, vamos ensinar como montar um fluxo de caixa em 3 etapas simples: controle, registro e análise. Mas cuidado, a compreensão das etapas é simples, porém sua execução exige uma disciplina por parte dos gestores.

 

Planilha de fluxo de caixa

Controle

Suas entradas e saídas não são a mesma coisa. Por isso, não devem ser tratadas como iguais. O primeiro passo é separá-las conforme a sua natureza.

Saídas

As saídas são todo o dinheiro que sai da sua empresa. Elas são divididas em três grupos principais: Fornecedores, Despesas Operacionais e Outras Saídas.

Esta é uma divisão básica, caso queira especificar ainda mais suas saídas e ter um controle maior, você pode dividi-las em despesas com matéria-prima, deslocamento, empréstimos, salários, etc. Quando maior a segmentação das saídas, melhor o controle.

Entradas

As entradas são todo o dinheiro que entra na empresa. A maioria das entradas são referentes às vendas, por isso seu valor depende da sua demanda mensal.

Para que nada seja esquecido, é preciso anotar as entradas diariamente. Dessa forma, além de saber quanto você vendeu naquele mês, saberá também em quais dias da semana o movimento é maior e poderá se programar para tal.

 

Anotar entradas e saídas

Registro

Após separar entradas de saídas e dividi-las em diferentes categorias conforme sua finalidade, é hora de registrar esses dados.

Uma forma de fazer isso é organizá-las em uma planilha de Microsoft Excel. Essa ferramenta facilita a visibilidade do desempenho financeiro e possui fórmulas que facilitam a análise desses dados.

Atenção! O lançamento correto das entradas e saídas é importantíssimo para as interpretações futuras. Se algo for registrado errado ou não for registrado, os dados ficarão imprecisos e atrapalharão o processo de decisão futuro.

Na hora de registrar, podem ser utilizados diferentes modelos de fluxo de caixa: Realizado, A realizar, Previsto e Projetado.

Realizado

O fluxo de caixa realizado basicamente irá mostrar o passado. Ele serve para analisar os dados já lançados e efetivados, ajudando os gestores a terem uma visão completa sobre o comportamento financeiro do negócio até o momento.

A realizar

Um fluxo de caixa a realizar tem como intuito ajudar os gestores a fazerem uma análise do futuro do caixa da empresa. Neste modelo são analisados os dados efetivamente lançados, considerando somente o que já foi faturado.

Previsto

Um fluxo de caixa previsto também tem como intuito analisar o futuro, porém com uma visão mais abrangente que o fluxo de caixa a realizar.

Neste modelo, os gestores podem considerar aqueles lançamentos que ainda não foram efetivados, mas há grande possibilidade de se concretizarem, como contratos recorrentes, orçamentos aprovados e ordens de compra emitidas.

Projetado

Outra visão de fluxo de caixa que tem como intuito analisar o futuro, este modelo faz uma projeção baseada no histórico da empresa, e não nos atuais lançamentos.

Este tipo de visão é muito utilizado em empresas que tem um giro rápido de vendas, e seus lançamentos costumam ser imediatos.

 

Análise de resultados financeiros

Análise

Parabéns! Você já tem um fluxo de caixa. Esta ferramenta porém, só é útil se for bem analisada.

Vamos citar dois pontos a serem observados que são fundamentais a todo negócio, porém, outras variáveis podem ser importantes para o seu negócio, cabe a você saber identificá-las.

Saldo Diário

O saldo final diário mostra quanto dinheiro você tem em caixa ao final daquele dia de trabalho.

Como todo dia começa com um saldo inicial (que veio do dia anterior), basta somar a este valor todas as entradas do dia e subtrair todas as saídas.

O valor encontrado é o seu saldo final diário.

Com esses dados é possível perceber a variação do dinheiro em caixa nos períodos do mês.

Lucro

Algo que todo dono de empresa quer saber é: meu negócio está gerando lucro?

Vamos ensiná-lo a descobrir o lucro da sua empresa agora.

Lucro, de uma maneira bem simplificado, é o valor da venda menos os custos envolvidos para esta negociação.

Portanto, para descobrir o lucro – ou dividendo – da organização, é preciso considerar todos os gastos da empresa naquele mês e diminui-los do valor gerado com as vendas.

Há dois conceitos de lucro utilizados: o lucro líquido e o lucro bruto.

Lucro líquido: é o que explicamos acima. A receita total do negócio – o custo total (custos variáveis + custos fixos). Aqui é considerado também os impostos pagos, por exemplo.

Lucro bruto: não leva em consideração os custos fixos da produção (impostos, aluguel de sala, salários dos funcionários, etc). Em resumo, é a diferença entre o valor das vendas e o custo de fazer o produto ou prover o serviço.

Dependendo do que você quiser encontrar, ter essa diferenciação entre os dois lucros pode ajudar.

 

Clique para fazer gratuitamente o download de uma planilha de Fluxo de Caixa!